Inicial | Artigos | Tira-dúvidas | Reforma ortográfica | Quem é | Contato

 

 

 

 

Acho que vou estar desistindo

 

Não sou desses puristas intragáveis e acho que a língua deve estar a serviço de quem a usa, não o inverso. Quando a expressão é correta e precisa, basta. Se houver aí o acréscimo de alguma elegância de estilo, é puro deleite.

 

No entanto, devo confessar que certos modismos me batem desagradáveis, isso quando não aparentam escamotear imprecisão, má vontade, indiferença, falso pedantismo ou coisa que o valha.

 

Estava, dias atrás, procurando uma pequena peça plástica e fui a várias lojas sem nenhum êxito. Em cada uma delas ia me convencendo de que o que procurava nunca existira, a não ser a amostra quebrada que eu exibia. Mas o pior estava por vir.

 

Num desses estabelecimentos, fui logo atendido por uma jovem muito solícita, a quem mostrei o tal pedaço de plástico e perguntei:

 

- Você teria esta peça?

 

Ela, muito burocrática, respondeu:

 

- Um momento, que eu vou estar verificando. E foi-se para o interior do loja, de onde voltou instantes depois. - Lamento, senhor, mas não vamos estar tendo essa peça.

 

Eu, já meio aterrado, perguntei-lhe:

 

- Você poderia indicar-me onde poderia consegui-la?

 

Ela pediu-me a peça, aproximou-se de um senhor, e sapecou-lhe:

 

- Você sabe onde esse senhor - e apontou para mim - poderia estar achando essa peça? - e travou com o tal senhor um diálogo mais ou menos inaudível. E finalmente, voltando-se para mim, arrematou: - O senhor pode estar procurando na loja X, mas eu não posso estar garantindo que o senhor vai estar encontrando. Se quiser estar fazendo uma tentativa...

 

Eu, mais que depressa, agradeci, peguei meu pobre caco de peça e disse-lhe, já meio convicto de estar na Inglaterra falando uma espécie de portuinglês:

 

- Eu acho que vou estar desistindo.

 

VOLTAR

 

 

 

© 2007 Pedro J. Nunes. Todos os direitos reservados.