PopUp Móvel
pedrojnunes |

Principal  l  Para ler e ver  l  Contato  Língua Portuguesa


 

 

 

Um olhar sobre o romance Menino

Pedro J. Nunes

Meu romance Menino tem sido interpretado como um livro puramente de memórias, o que é um engano. Trafega aí, não posso negá-lo, farto material que efetivamente fez parte da minha própria vida. Todas as personagens do livro existiram, foram reais, os fatos ali expostos, mesmo os mais cruéis, aconteceram e ficaram profundamente gravados em minha memória, matéria tratada com muita carpintaria, tarefa o mais das vezes titubeante, às cegas, sofrida. Tanto mais quanto estava lidando com uma realidade tão longínqua, encravada lá nas entranhas insondáveis da infância, com a qual tive um encontro, digamos, acidental.  

Não posso negar a origem do livro, ou seja, a narrativa que cobriria episódios pitorescos de minha infância, uma infância bastante feliz de menino pobre do interior do Espírito Santo, mais precisamente de São José do Calçado, no final da década de 60 e início da de 70. A proposta inicial para a escrita de Menino era justamente essa. Surgiu dos casos de minha infância – um repositório de lembranças teimosas, ainda que boas – contados aos amigos. Graças ao incentivo dos amigos Reinaldo Santos Neves e Joca Simonetti, tomei coragem de contar essas histórias, embora fosse tão pouco afeito a esses casos de memórias, embora temesse tanto falar tão francamente sobre certas particularidades do que vivi. Ao começar a escrever o livro, no entanto, dei de cara com um romance pronto, e a história começou a mandar em si mesma. Eu, afeito expectador, deixei as coisas irem acontecendo, aproveitei o material que se dispunha a caminhar com suas próprias pernas, domado o principal elemento do livro, ou seja, a perspectiva do menino, da criança, com relação aos acontecimentos e às pessoas. Claro que farta matéria de memória surgiu durante a escrita, afinal a escrita do romance Menino acabou se transformando num mergulho profundo num tempo antigo e numas lembranças ásperas, ambos às vezes assustadores, mas domei aquela parte do que ia se sucedendo que dissesse respeito a um plano que, em dado momento, havia estabelecido para o romance. 

Não é porque tudo aquilo que exponho no livro realmente aconteceu exatamente como está nas páginas do romance argumento para que recaia sobre o livro o caráter de mera memória. Ocorre que não pude ignorar a matéria real que se oferecia ao ficcionista. Os fatos estavam disponíveis e se impuseram. Mesmo quando escrevia meu romance, tentando domar todos os elementos literários típicos de um romance, tinha plena consciência de que havia uma história pronta, uma história bem real, uma história de que precisava me livrar.  

Creio que tudo redunda em que este é um livro em que narrei fatos que aconteceram em minha infância tanto pelos olhos de menino-narrador quanto pelo olhar retrospectivo de adulto-escritor, interpolando-se o tempo da narrativa com o tempo da escrita. Mas não se trata de livro de escritor adulto com saudades da infância. Longe disso, Menino é seco como um coice e não dá vez a pieguices.  

Hoje, anos após havê-lo escrito, impressiona-me a precisão com que o livro retrata, em vários aspectos, a cidade em que vivi a minha infância, ou seja, São José do Calçado. O livro traça um retrato impressionantemente real da cidade e do meu sentimento com relação a ela – sentimento que talvez não tenha sofrido qualquer alteração mesmo hoje.

O foco dramático do romance está num episódio real de pedofilia de que foi vítima uma de minhas parceiras da infância. E ficou bem claro durante a escrita que, mesmo em se considerando o revestimento literário, eu não podia me calar sobre a realidade.  

A maior influência do livro foi Graciliano Ramos, com Infância, matéria autobiográfica com sofisticado tratamento literário do grande autor. Adotei a perspectiva do livro, de quem olha de baixo para cima o mundo dos adultos. Não me aproximei da linguagem árida do grande romancista. Pelo contrário, abuso dos adjetivos, acho os adjetivos indispensáveis para a carga dramática que busquei dar à narrativa. Sei que isso é uma tremenda contramão, mas forjei assim minha escrita, ou meu estilo – se é que tenho algum – e minha relação com os adjetivos é bastante amigável. 

Eu diria, em síntese, que Menino é um olhar frontal ao meu próprio tempo, um olhar muito franco, muito expositivo. Afinal, ali estou eu e várias pessoas que leram o livro e viveram aquele tempo me reconheceram e se reconheceram. Mas não escreveu Edgar Allan Poe que a melhor forma de ocultar-se é se expondo? Não advertiu Somerset Maugham que “todas as personagens que criamos não são senão cópias de nós mesmos?” Não se escandalizava Graciliano Ramos de que alguém escrevesse sobre o que não viu ou não experimentou? Eu me sinto plenamente justificado, inclusive do ponto de vista literário.


Texto originalmente publicado no caderno Pensar de A Gazeta, em 10 de novembro de 2012.

 

VOLTAR

 

 

© 2005 Pedro J. Nunes. Todos os direitos reservados.